Neste artigo, trataremos brevemente do modelo de liderança demandado para esse século.

Liderar não mais significa conduzir seu time baseando-se em sua posição, ou status de poder autoritário hierárquico. Na verdade, a imperatividade diz ao contrário, ou seja, o líder deve ter habilidade de conduzir sua equipe os influenciando positivamente e motivando, sempre incentivando-os a contribuírem para realização do projeto e execução.

O líder deve ser capaz de escutar e entender seus liderados a ponto de delegar e socializar as responsabilidades de maneira sutil, sugerindo que a participação de cada um é extremamente importante para o sucesso da equipe. A ideia de que exercer uma forma de poder para liderar uma equipe é essencial, já não mais se evidencia, pois existem outras formas de deter o comprometimento da sua equipe. O exemplo é o maior deles e isso se caracteriza pela forma como o líder adquire a admiração do seu time. Essa máxima paira sobre a habilidade do líder de tirar seu liderado da zona de conforto e conduzi-lo ao seu estado desejado.

Liderar é uma arte que determina que a aplicação do perfil mais introspectivo do líder serve para deixar a equipe mais a vontade no que tange a relatar suas insatisfações e desejos, permitindo que o líder possa ajudar a equipe a se encontrar dentro do proposito da empresa.

O líder mais extrovertido, tende a passear em comportamentos mais autoritários, extravagantes o que por consequência inibe o liderado de externalizar aquilo que sente em verdade, não permitindo uma plena sinergia entre os propósitos pessoais e corporativos.

O líder deve se despir do seu estilo comportamental, aplicando estratégias para potencialização dos resultados dos membros da equipe. Essa deve ser sua preocupação primordial. Escutar mais e falar menos é condição sine qua non.

Os líderes do passado preferiam manter as pessoas em estado de quase ignorância para facilitar a manipulação através da intimidação e do autoritarismo. Temos a certeza de que essa era está terminando. Quem tenta se manter na liderança utilizando-se dessa filosofia fracassará, visto que hoje vivemos a era da geração “Y”, “Millennials” o que pede do líder mais do que isso. Para liderar e obter êxito atualmente é necessário ter paciência, humildade, disciplina, respeito e compromisso, além de amor pelas PESSOAS.

Um ser humano motivado produz muito mais do que dez outros que estejam sendo subjugados ou coagidos pelo temor.

O líder atual deve ser ativo e atualizado, buscando sempre um aprimoramento contínuo que amplie seus conhecimentos e suas habilidades para que possa transparecer confiança aos liderados. Não se faz necessário dominar com maestria a área de atuação para que possa exercer seu papel com competência, pois a capacidade de encontrar potencial em seus liderados e conduzi-los a maestria nos trabalhos é maior importante do que saber fazer.

O conhecimento profundo sobre a psique humana e de antecipação aos fatos é de suma importância para o efetivo sucesso do seu processo de liderança. Deve compreender e respeitar o lado abstrato da organização, aprendendo a trabalhar as diferenças de tal forma a criar uma equipe harmônica e cooperativa, onde todos os membros se sintam integrados e valorizados.

Liderar, portanto, é uma bela arte que deve ser aprimorada constantemente, principalmente no que diz respeito ao conhecimento da mente humana, pois somente através do entendimento das necessidades das pessoas, dos membros da organização e da humanidade de forma geral é que virão as melhores sugestões de como criar sinergia entre os propósitos pessoais e organizacionais.

O Líder especialista em “GENTE” é o líder do novo século.